terça-feira, 26 de outubro de 2021

Prof. Rafael José Pôncio - Henry Ford, o homem que revolucionou o modo de produção

Aqui na série Grandes Empreendedores da História, os leitores estão acostumados com artigos que contam sobre empreendedores que mudaram a história, são são verdadeiros cases de sucesso. Ao observarmos os negócios que mudaram o rumo da nossa civilização podemos perceber algumas características em comum: Visão, criatividade e perseverança, por exemplo, são alguns atributos inerentes na vida de um empreendedor. Nem sempre é preciso “descobrir” algo, tal qual um cientista ou inventor, mas sim enxergar as possibilidades que as descobertas trazem. Considerando isso, por vezes é mais inteligente fazer “o mesmo” de maneira distinta do que apostar sempre em novos produtos e serviços.

Hoje trago um ótimo exemplo de como podemos revolucionar o mercado sem necessariamente criarmos algo novo. Estou falando de Henry Ford, um dos maiores empresários do ramo do automobilismo. Sua influência foi tão grande e sua inovação no modo de produção fabril que o 'fordismo' tornou-se um modelo para fábricas dos mais variados tipos, lançando assim uma nova forma de construir equipamentos.

Quem foi Henry Ford?


Antes de entendermos os feitos realizados por Henry Ford é fundamental conhecermos um pouco de sua história. Voltemos então ao século XIX, mais precisamente em 1863, nos Estados Unidos. Em uma pequena fazenda perto de Detroit nasceu Ford. Seus pais eram imigrantes e detinham uma pequena propriedade rural em que viviam, assim, os primeiros 15 anos de vida de Ford foram dedicados à agricultura. Mesmo não gostando da vida no campo, as máquinas faziam parte da vida de Henry desde sempre e cedo ele percebeu as vantagens de utilizá-las para reduzir o trabalho braçal nas lavouras. 

Seu pai, William Ford, percebeu a perícia do filho para lidar com as máquinas e o designou como responsável pela manutenção e utilização das ferramentas. Apesar de não ser afeito ao trabalho manual, Ford ajudou na fazenda dos seus pais até a morte de sua mãe, em 1875. O amor pela mãe o fazia resistir às adversidades da vida rural e quando ela faleceu foi como, segundo alguns dos seus biógrafos, o mastro que o sustentava fosse arrancado. Naturalmente, Ford foi se afastando da vida no campo e passou a dedicar-se ainda mais na manutenção de objetos.

Ainda em sua adolescência consertava relógios e pequenos objetos para amigos e conhecidos, o que alimentava sua paixão pelas engrenagens e máquinas. O jovem Henry, motivado pelas suas habilidades, foi entrando mais a fundo no mundo das máquinas. Primeiro tornou-se aprendiz de operador de máquinas, depois voltou a operar as máquinas da fazenda do seu pai. Ainda seguiu a carreira como mecânico e, mais tarde, assumiu cargos de engenheiro em algumas empresas de Detroit, então com 30 anos. Ainda assim, levaria mais dez anos para que Ford começasse o seu primeiro negócio: a Henry Ford Company.

Esses aspectos da vida de Ford revelam algo muito interessante sobre a razão pela qual seus carros, nos anos XX, foram tão bem sucedidos quanto à performance. A experiência e, acima disso, a paixão de Henry Ford pelo desejo de descobrir como as máquinas funcionavam e encontrar meios para que elas fossem ainda mais longe definiu o modo como ele iria gerenciar suas empresas. Sendo um clássico “self-made man”, Ford precisou de anos de experiência até finalmente lançar sua primeira empresa e isso é importante que entendamos: a vida não dá saltos, ou seja, não iremos progredir rapidamente e a única garantia do nosso sucesso será, invariavelmente, o trabalho com determinação e constância.

Da primeira empresa ao 'fordismo'


Em 1903 Henry Ford funda sua primeira empresa, voltada para a montagem de automóveis. O carro, como popularmente conhecemos, já havia sido inventado em 1886, por Karl Benz, porém, mais de quinze anos após a sua patente, ainda não haviam fábricas para fabricação do produto. Parte da dificuldade estava nos custos para construção do veículo, além da lentidão no processo de montagem do carro.

Ford, porém, tinha a solução para esses empecilhos. Ele desenvolveu o que hoje chamamos de “linha de montagem”, na qual cada operário fica responsável por uma parte da máquina. Assim, a fábrica de Ford era capaz, na época, de fazer dezenas de carros em um único dia, um feito inimaginável para o seu contexto histórico. Hoje, utilizando robôs e uma linha de montagem ainda mais especializada, somos capazes de produzir seis mil carros por dia, quase 1 a cada 10 segundos. Porém, no final do século XIX levava-se semanas para finalizar um único modelo.

O nome desse modo de produção em fábrica popularizou-se para todos os tipos de montagem e chamamos de 'fordismo'. A grande vantagem desse método está na agilidade em que se monta um produto, uma vez que cada operário só precisa saber de uma pequena parte do processo, o que lhe dá mais celeridade na produção. Além disso, por conseguir fabricar dezenas de produtos em um único dia, com o 'fordismo' atende-se a uma grande demanda, dando vazão a produtos e podendo gerar estoque. Todos esses fatores contribuem positivamente para a logística de uma fábrica e toda a cadeia de consumo.

Assim, Henry Ford não apenas desenvolveu motores e carros de excelente qualidade, mas também conseguiu revolucionar o modo de produção fabril a nível mundial, criando um novo padrão.

A nível de comparação, o primeiro carro criado por Benz alcançava apenas 8 km/h. Já o Ford modelo “999”, o primeiro fabricado pela empresa de Henry Ford, ainda em 1903, alcançou a incrível marca de 147 km/h, graças às melhorias do motor e do design do automóvel. A apresentação do primeiro modelo do automóvel fabricado por Ford foi tão impactante que tornou-se notória, o que fez a marca Ford popularizar-se rapidamente nos Estados Unidos.

A Ford Company ainda criou diversos modelos de automóveis. Seus modelos “T” e “A” fizeram grande sucesso durante a primeira metade do século XX. Com o tempo Ford ainda expandiu seus negócios para a aviação e para os carros de corrida. Mesmo assim, seu grande e mais acabado projeto foi, sem dúvida, os carros convencionais, que até hoje passeiam pelas nossas estradas.

Considerando tais aspectos, não resta dúvidas que o sucesso do empreendimento de Ford está na sua duração, contribuindo para uma das máquinas mais populares da nossa sociedade. A História jamais o esquecerá, pois entre erros e acertos ele tornou-se uma invenção até então pouco reconhecida em um dos produtos mais consumidos ao redor do mundo.
 
De fato, Henry Ford foi um Grande Empreendedor da História, mas, também um ícone para a Administração Moderna, pois, com seus processos avançados de administração naquela época conseguia pagar maiores salários aos seus funcionários do que a concorrência sem perder o lucro da companhia.

Bom trabalho e grande abraço.

Prof. Adm. Rafael José Pôncio


        Reprodução permitida, desde que mencionado o Nome do Autor e o link fonte.       

Nenhum comentário:

Postar um comentário