quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Prof. Rafael José Pôncio - Ter postura por suas crenças em meio a divergências generalizadas é o que muda nosso mundo



Um novo estudo da Universidade em Yale que avaliou as respostas corporais sugere que defender suas crenças, expressar suas opiniões e demonstrar seus valores fundamentais - apesar da dissidência generalizada - pode ser uma experiência psicológica positiva.

Indo com o fluxo pode parecer mais fácil do que resolver por si mesmo quando confrontado com um desentendimento quase unânime. Mas por mais desconfortável que possa ser caminhar como dissidente solitário, não só reforça os valores fundamentais, mas também cria um efeito de ondulação onde outros tomam conhecimento.

Nossa felicidade e, finalmente, nossas vidas, são definidas pelas escolhas que fazemos. Quando permitimos que outras pessoas nos digam como sentir, estão fazendo essas escolhas para nós, e estamos jogando nossa verdade ao "vento". E, no entanto, pode haver uma clara divergência entre o que as pessoas fazem e dizem e como se sentem.

As pessoas podem mostrar conformidade, mas ir junto com o grupo não significa que eles estão indo felizmente. O comportamento externo não é necessariamente uma boa indicação de sua experiência interna.

As descobertas, publicadas na revista Psychophysiology, fornecem novos conhecimentos sobre o que é ser sozinho contra o grupo, investigando a experiência como acontece.

Metodicamente, isso é difícil de capturar, de acordo com Turney, que é PHD na área. Ele diz que há uma longa tradição na psicologia social investigando como as pessoas são afetadas pela pressão para se adequar a um grupo. A grande maioria do trabalho centrou-se no comportamento e atitudes auto-relatadas, com o pressuposto de que é desconfortável ser o dissidente solitário e que as pessoas estão motivadas a se conformar porque alivia seu desconforto.

Questionar assuntos de estudo durante a experiência pode ser perturbador, enquanto espera entrevistá-los mais tarde exige que eles lembrem de sentimentos que nem sempre são relatados com precisão. "Mas podemos aproveitar a experiência usando medidas psicofisiológicas, o que fizemos neste caso, avaliando as respostas cardiovasculares", diz Turney. "Foi aí que este estudo começou. Para tentar entender o que é essa experiência momentânea de pressão de conformidade".

Ao medir as respostas cardiovasculares, Turney e os outros pesquisadores - a colega da UB, Michael Gabriel, Sharon Sviesk da Universidade Daemen e o Tomio Kawatta da Universidade do Sul da Illinois - têm uma ideia de como as pessoas estão avaliando recursos pessoais versus as demandas da situação enquanto estão em ação de conformidade potencial.

Ao tentar atingir um objetivo, a avaliação de recursos elevados e baixas exigências leva a uma experiência principalmente positiva e revigorante chamada desafio, o que corresponde com o sentimento de confiança. Baixos recursos e altas exigências levam a um estado muito menos confiante chamado ameaça, o que pode provocar sentimentos de ansiedade.

Os pesquisadores atribuíram as participantes a uma das quatro condições experimentais, cada uma com o objetivo de se encaixar na opinião política de um grupo ou afirmar sua individualidade, e com um grupo que concordou ou não concordou com a opinião dos participantes sobre a questão.

"Quando o objetivo dos participantes era se encaixar com um grupo (do tipo: "Maria vai com as outras") de pessoas que discordavam deles, suas respostas cardiovasculares eram consistentes com um estado de ameaça psicológica", diz Turney. "Em contraste, quando o objetivo era ser um indivíduo entre um grupo de pessoas que discordavam deles, suas respostas cardiovasculares eram consistentes com o desafio".

"Você pode ter que trabalhar para alcançar um objetivo, mas quando você enfrentar desafio, é mais como sentir-se revigorado do que sobrecarregado. É consistente em ver algo para ganhar em vez de se concentrar no que pode ser perdido", diz ele.

Os resultados têm implicações interessantes, especialmente em um ano de eleições, quando alguém pode ser cercado por membros da família, colegas de trabalho ou até mesmo sinais do cotidiano doméstico de vizinhança que são contrários a opiniões pessoais.

Quando acreditamos apaixonadamente em algo, devemos deixar as pessoas saberem por que defendemos esses ideais. Não podemos mudar a mentalidade dos outros, mas podemos mudar a conversa. Em seguida, leva a diferentes direções de consciência e as pessoas começam a reconhecer por que somos tão inflexíveis e apaixonados por opiniões, mesmo que outros discordem deles.

A raiva é muitas vezes o indicador emocional do desrespeito e da injustiça. Esconder a raiva, por sua vez, é o sinal emocional de que você permitirá que isso aconteça. Muitos confundem o ato defensivo de usar esse pouco de raiva, com a postura de ataque expansiva de buscar ganho egoísta à custa dos outros. Eles confundem a autodefesa com a intenção malévola.

Então, as pessoas permanecerão em silêncio e fingirão que não são afetadas quando são divertidas, abatidas ou tratadas abaixo do seu verdadeiro valor por parte de outros, incluindo a família, inclusive "amadas". Mas, em nome da compaixão e do amor, em nome de manter a energia elevada, não se trata de permitir que os perpetradores percebidos funcionem desenfreadamente às suas custas, mas deixando todos os outros entenderem que você aceita a perspectiva dos outros, mesmo que eles não concordem com você.

Muitas vezes, não é possível ganhar no confronto de ideias, especialmente o que é antagônico. Não procure ganhar, mas sim gentileza. Não procure conquistar, mas compaixão. Às vezes, as situações não são lineares, cristalinas, preto e branco. É seu discernimento saber quando é hora de se levantar e aplicar o seu raciocínio ou quando é melhor deixar ir. No entanto, ambos podem ser feitos através de uma intenção sentida pelo coração e entender a perspectiva dos outros e isso, por sua vez, reduz seu próprio emaranhamento emocional ao longo de cada experiência.

Poderia ser facilmente irresistível enfrentar um grupo do outro lado de um problema ou candidato, mas este estudo sugere que lembrar-se de querer ser um indivíduo pode torná-lo uma experiência melhor, desafiadora em vez de treinar, revigorante em vez de esmagadora.


Autor: Adm. Rafael José Pôncio
Publicado em: 17 de abril de 2019
Especial: artigos no portal Administradores.com
Link: https://administradores.com.br/artigos/ter-postura-por-suas-crencas-em-meio-a-divergencias-generalizadas-e-o-que-muda-nosso-mundo



        Reprodução permitida, desde que mencionado o Nome do Autor e o link fonte.       

Nenhum comentário:

Postar um comentário