quinta-feira, 12 de junho de 2014

Prof. Rafael José Pôncio - Como usar a Janela de Johari na comunicação


Conheça a Janela de Johari, uma ferramenta que pode ajudar na comunicação com a sua equipe. Continue a leitura e descubra como.

Como usar a Janela de Johari para melhorar as relações interpessoais

Um dos grandes desafios para os gestores é compreender as pessoas, em especial os membros da sua equipe. Afinal ele precisa saber a hora certa de incentivar e dar um dar aquele "presta atenção" e a Janela de Johari pode ajudar.

O que é a Janela de Johari?

A Janela de Johari é uma ferramenta usada para aumentar o autoconhecimento e descobrir como as pessoas ao nosso redor nos enxergam.

Ela parte do princípio básico que a percepção que temos sobre nós mesmos está vinculada aos feedbacks obtidos nas relações interpessoais.

Este modelo foi criado pelos psicólogos Joseph Luft e Harrington Ingham em 1955. Por isso, o nome “Johari” (a junção dos dois nomes). Já o nome “Janela” é porque a imagem formada pela ferramenta lembra uma janela.

Como funciona uma Janela de Johari?

A Janela de Johari é construída seguindo a lógica que todas as relações interpessoais são compostas por elementos conhecidos e desconhecidos, na ferramenta eles são divididos em 4 espaços.

Cada área recebe um nome (aberta, cega, oculta e desconhecida) e é separada conforme o seu nível de autoconhecimento e o que as pessoas conhecem sobre você.

Conforme exemplo abaixo:

 

Área aberta

Também denominada de 'eu aberto', nesta parte da Janela de Johari é onde as interações sociais estão mais transparentes. Nela estão as características que reconhecemos e também que os outros enxergam.

Por exemplo: você se considera uma pessoa engraçada e as pessoas também pensam isso, pois, riem das suas piadas e comentam como é agradável ter você por perto.

Na área aberta às relações são sem bloqueios, as alegrias e problemas são compartilhados. Quem tem esta zona como dominante, possui facilidade para receber feedbacks e interagir com os demais.

Área cega

Chamado também de eu cego, nesta área estão os traços da sua personalidade notados pelos outros, mas, que você mesmo não reconhece, ou seja, você é cego a eles.

Como quando alguém fala que você trabalha demais, mas você nem percebe que passou mais de 12 horas em frente ao computador.

Muitas vezes estes traços são identificados através da linguagem não verbal. Por exemplo: é fácil perceber quando alguém está estressado sem que a pessoa diga nada.

Indivíduos que têm uma área cega maior têm dificuldade de receber críticas e precisam desenvolver melhor o autoconhecimento.

Área oculta

A área oculta ou eu oculto é onde estão as características que reconhecemos em nós mesmos, mas preferimos esconder dos outros.

Normalmente nesta área se encontram “defeitos” como ganância, timidez, falta de habilidade e ciúmes. Tentamos ocultar estes traços, pois acreditamos que seremos julgados negativamente se revelarmos. 

Então, a pessoa cria uma fachada que representa o seu eu ideal, o que prejudica a comunicação com os demais porque ela se torna distante e não conversa muito, para que a imagem não seja desfeita.

Quem é dominado pela área oculta tem dificuldade de dar e receber feedbacks.

Área desconhecida

Na área desconhecida ou eu desconhecido estão as características inexploradas da Janela de Johari, as que nem você e nem os demais identificam.

Ela existe no modelo para representar as habilidades que você pode descobrir. Por exemplo: você nunca se reconheceu como líder, mas ao adquirir um cargo de chefia percebe que leva jeito.

Para identificar estes aspectos é importante fazer um exercício de autoconhecimento e explorar as possibilidades.

Como um gestor pode usar esta ferramenta?

A função de um gestor é saber lidar com pessoas, influenciar e aprender com elas. Mas para isso acontecer é fundamental que as relações sejam abertas e francas.

Neste ponto a Janela de Johari pode ajudar, pois, mostra se a forma com que o gestor se comunica é clara para a equipe.

Então, segue um passo a passo para você aplicá-la com o seu time:

1.   Faça uma autoavaliação

Primeiro, faça uma lista com as suas qualidades e os seus defeitos, é muito importante que você seja honesto nesta etapa.

2.   Peça para os seus colegas fazerem

Após a sua análise, entregue uma cópia para os membros da sua equipe, peça para eles informarem quais concordam e se pensarem que falta alguma característica, acrescentarem.

Para que as pessoas não tenham medo de expressar a sua opinião, informe que a pesquisa será anônima.

Outra opção é fazer um questionário online, o que também facilitará a análise dos resultados.

3.   Faça a comparação dos resultados

Com todas as respostas em mãos, agora é o momento de comparar as informações e incluí-las na Janela de Johari:

  • As características que você e o grupo identificaram são colocadas na área aberta.

  • Os traços que o grupo apontou e você não reconheceu vão para a área cega.

  • As que você colocou, mas o grupo não considerou são inseridas na área oculta.

  • Apenas a área desconhecida deve ficar em branco.

4.   Analise os resultados

Se as suas respostas ficaram concentradas na área aberta, significa que a comunicação é clara e sincera com a sua equipe. Também demonstra que as pessoas se sentem confortáveis em trabalhar com você.

Porém,  se a maioria das características está na área cega, mostra falta de autoconhecimento por parte do gestor. Pois, a equipe sabe mais sobre a sua capacidade de liderança do que ele próprio.

Quando os traços ficam centralizados na área oculta indica que a comunicação é restrita e artificial. A razão provável para isso é a insegurança do gestor, que prefere não se expor para não receber um feedback negativo.

5.   O que considerar ao aplicar a ferramenta

Embora seja muito positiva, vale lembrar que Janela de Johari é um indicativo de como são as interações e não algo definitivo, afinal vários elementos podem impactar no resultado.

Por exemplo: recentemente o gestor precisou demitir uma pessoa querida pela equipe, este fato isolado pode influenciar na análise.

Logo, caso perceba que o teste está muito fora do esperado, vale a pena refazê-lo no futuro.

Outra tática é fazer separadamente com cada um do grupo, para que as suas respostas não sejam influenciadas pelos demais.

 

É uma ferramenta da psicologia, mas usada na administração, inclusive amplamente usada pelos empreendedores comportamentalistas, é simples, experimente!

Gostou da Janela de Johari? O bom deste modelo é que não fica restrito só aos gestores, você pode usar com clientes ou até na sua vida pessoal.

Bom trabalho e grande abraço.

Prof. Adm. Rafael José Pôncio



Conheça também:

Como fazer uma Matriz de Eisenhower em 5 passos

            


       Reprodução permitida, desde que mencionado o Nome do Autor e o link fonte.         

Nenhum comentário:

Postar um comentário