terça-feira, 3 de setembro de 2019

O inicio da cura pela autohonestidade


A autohonestidade é o tipo mais importante de honestidade porque a verdadeira mudança e cura jamais aconteceriam sem ela.

Quando somos emocionalmente desencadeados ou desafiados por algo que alguém diz, a lógica e a autorreflexão honesta dificilmente sucumbirá. Quando em disputa ou desacordo com alguém que não vê os fatos e no intuito de eliminar a lógica, poderá sentir-se indefeso com a aceitação da realidade.

Depois de anos de meditação sobre este método e tentando quase de tudo para superar as defesas de alguém, a melhor maneira de saber abordar esse impasse é perguntar ao interlocutor: "Quando você examina seu coração de forma vulnerável com uma mente honesta, o que a verdade faz você achar? "

A razão para essa abordagem é que nenhuma quantidade de lógica vai conseguir que outros (ou 99% das pessoas) vejam a luz quando eles têm um investimento emocional sobre fatos que contesta sua estrutura de realidade existente. Isso é chamado de dissonância cognitiva: uma incapacidade de acreditar no que contradiz o conhecimento atual, muitas vezes porque é muito assustador transformar o mundo de cabeça para baixo com novos conhecimentos. Poucas pessoas estão dispostas a ser seu próprio "eu cético racional".

Não podemos romper a dissonância cognitiva com a lógica, a menos que alguém esteja disposto a enfrentar o medo emocional subjacente do que faz com que eles rejeitem o que ouvem. E, quanto mais você pressiona contra essa resistência, mais eles (interlocutores) excluem a única coisa que realmente podem despertá-los. É por isso que a única solução seria pedir-lhes que olhem honestamente em seu coração - porque só eles são capazes de ignorar suas defesas.

No entanto, os corajosos, os poucos, os que têm integridade e um desejo de verdade, e estão dispostos a sofrer o alinhamento com a realidade, aceitarão dissonância cognitiva desconcertante e desorientadora sobre o medo de rejeitar novas verdades apenas porque a última aparenta muito medo. Essencialmente, quando nos preocupamos em descobrir a verdade mais do que proteger nossa visão de mundo, a dor de negar a verdade é mais dolorosa do que enfrentá-la. O que torna essa dor de negação mais ou menos dolorosa é a bússola moral. Os poucos, os valentes, os guerreiros integrantes da verdade, sacrificam explicações arrumadas e o conforto das percepções estáticas para permanecer na fronteira da descoberta e uma visão de mundo constantemente ajustável, que a experiência e o novo conhecimento promovem.

A integridade, para a honestidade intelectual e emocional, não nos deixa ficar na negação, não nos permitirá evitar a dor (para o ego) da autocorreção e da humildade ao custo do que é verdade. Uma maneira de descobrir o que é verdadeiro é ouvir e considerar verdadeiramente a informação que nos é apresentada. Outro é usando o argumento e o debate - mesmo com seu parceiro, um amigo ou chefe - mais como uma ferramenta de aprendizado do que para "vencer". Apresentar o raciocínio e o argumento de uma pessoa está tudo bem, desde que também seja sincero sobre a veracidade dos pontos do nosso interlocutor.

Tenha em mente que o nosso medo da realidade que voa em face de crenças erradas geralmente é inconsciente em tais indivíduos e se manifesta como negação, raiva e até violência - tudo para proteger a "visão de mundo" de alguém quando está ameaçado por uma verdade inconveniente. Estes são os sintomas da dissonância cognitiva. Os "fatos alternativos" são um bom exemplo da negação da verdade que ameaça o ego frágil e autoilusão narcisista. É um exemplo de desonestidade intelectual gerado por insegurança emocional excessiva e subjacente.

Tudo o que podemos fazer perante a desonestidade e negação pode ser plantar a semente de autohonestidade, e se germinar, ótimo. Se não for, geralmente não há outra maneira de gerar manualmente a autorealização em outra pessoa. Se não germinar, então você deve praticar a autoaceitação radical e deixá-lo ir para o melhor que puder, pois respeitar o tempo dele também é necessário.

A autohonestidade é o motor da mudança, da evolução, da compaixão e da paz. Então, da próxima vez que você perceber isso em alguém, pergunte-lhes a questão que promove a autohonestidade, e veja se você pode deixar descansar sobre isso, porque provavelmente não haverá outra maneira de se aproximar:

'Quando você examina seu coração de forma vulnerável com uma mente honesta, que verdade você encontra?'

Se o interlocutor está muito irritado, defensivo ou em negação, o plantio desta semente ainda tem o poder de ficar com ele. Isso vai incomodar a consciência de alguém que seja digno de ser incomodado pela verdade, ou quem, na melhor versão de si mesmo, é humilde, consciente e autohonesto o suficiente para ver sua loucura. Claro, alguém que tem medo da verdade provavelmente não será realmente aberto de coração para se autorefletir de forma emocional e intelectualmente honesta. Mas, é tudo o que podemos fazer, penso eu, e pelo menos prejudicial e mais compassivo possível.

E, é claro, nós também nos deparamos com nossa própria autohonestidade. Estamos sendo honestos com nós mesmos, estamos negando ouvir e acreditar no que está sendo compartilhado conosco? Em um jogo de egos, é o primeiro a deixar as suas defesas, tornar-se vulnerável (se apenas com outro interlocutor) e reconhecer a verdade naquele cálice sagrado de coração aberto e mente sincera, unida. Quando somos capazes de indagar honestamente, talvez quando estivermos calmos o suficiente, podemos nos perguntar:

'Quando eu olho de forma vulnerável em meu coração, e examino meus próprios pensamentos e crenças, com uma mente sincera, que verdade eu encontro lá?'

Se eliminarmos nossa autohonestidade e autoreflexão através de uma mente clara e um coração regulado, podemos descansar em nossa própria integridade e praticar a aceitação radical do que a outra pessoa não é capaz de fazer. Plantar a semente da autoreflexão e concordar em discordar é tudo o que podemos fazer às vezes. Isso ocorre porque qualquer despertar depende primeiramente de nossa vontade de ser sincero consigo mesmo.

Em suma, a maioria das curas depende da autohonestidade; uma vez que o medo assombra o grau em que podemos ser honestos, mais podemos enfrentar o medo neurótico, quanto mais honesto pudermos e quanto mais possamos curar.

Bom trabalho e grande abraço.

Autor: Adm. Rafael José Pôncio
Publicado em: 02 de setembro de 2019
Especial: artigos no portal Administradores.com
Link: https://administradores.com.br/artigos/o-inicio-da-cura-pela-autohonestidade-nbsp


        Reprodução permitida, desde que mencionado o Nome do Autor e o link fonte.       

Nenhum comentário:

Postar um comentário